4.2.14

Do fim das relações


Parece ter sido a notícia do dia.
Aliás, quem anda pelas redes sociais não deve ter visto outra coisa. E, podemos já adivinhar que as capas das próximas edições das mais variadas revistas cor de rosa não vão falar de outra coisa e tentar fazer as habituais suposições.

Fazendo uma piada fácil, parece que, ultimamente a vida dos famosos, de rosa tem muito pouco.

O casal, que se conheceu na altura dos Morangos com Açúcar, anunciou hoje através de um comunicado o fim da sua relação.


Não conheço pessoalmente nenhum deles, mas confesso que sempre os achei um casal com imensa pinta.
De resto não posso falar de algo que não sei.
Mas, faz-me confusão que as pessoas se ponham a escrever que estão chocadas, que nunca imaginavam isto, blá, blá, blá, que ainda há dois dias ele escrevia que a amava muito ...

Nisto dos casamentos, das relações, cada um sabe da sua ( e ás vezes nem isso). Não acredito muito em casais perfeitos, em relações perfeitas. Desconfio daqueles que nunca discutem e que partilham sempre da mesma opinião.
Mas isso sou eu. 
Nisto dos casamentos, só quem os vive sabe o que se passa. Porque nós decidimos aquilo que queremos mostrar aos outros, e por isso, se quisermos que toda a gente pense que é tudo um mar de rosas, é só representar isso.

O que penso é que hoje em dia se desiste rápido demais.
Na primeira discussão arrumam-se os trapos, bate-se com a porta e cada um vai a sua vidinha.
Porque isto do amor dá trabalho.
Ás vezes mais do que devia. Mas, quando se ama, quando se sente que não se é capaz de viver sem aquele sorriso, agarramos-nos a tudo, com todas as forças e lutamos até ao fim. Cedemos naquilo que tivermos de ceder. Pomos muitas vezes o orgulho de lado. Crescemos.
Muito. Tanto.
Porque amar também é aprender, crescer, ser cada dia um pouco melhor.

E porque isto já vai longo deixo-vos com um maravilhoso texto do tão sábio MEC. Maravilhosas palavras e tão certas.

Não desistam de amar.
Nunca.


"Percebo hoje a razão por que Auden disse que qualquer casamento duradoiro é mais apaixonante do que a mais acesa das paixões. Guardar é um trabalho custoso. As coisas têm uma tendência horrível para morrer. Salvá-las desse destino é a coisa mais bonita que se pode fazer. Haverá verbo mais bonito do que «salvaguardar»? É fácil uma pessoa bater com a porta, zangar-se e ir embora. O que é difícil é ficar. Isto ensinou-me o amor da minha vida, rapariga de esquerda, a mim, rapaz conservador. É por esta e por outras que eu lhe dedico este livro, que escrevi à sombra dela. 

Preservar é defender a alma do ataque da matéria e da animalidade. Deixadas sozinhas, as coisas amarelecem, apodrecem e morrem. Não há nada mais fácil do que esquecer o que já não existe. Começar do zero, ao contrário do que sempre pretenderam todos os revolucionários do mundo, é gratuito. Faz com que não seja preciso estudar, aprender,  respeitar, absorver, continuar. Criar é fácil. As obras de arte criam-se como as galinhas. O difícil é continuar."

Miguel Esteves Cardoso, in 'As Minhas Aventuras na República Portuguesa

Um beijo,
Mia

8 comentários:

  1. Mia, quanto à perfeição...depende muito do nosso conceito de perfeição! Considero que eu tenho uma relação perfeita. Perfeita, por termos muitas vezes opiniões diferentes, por nos contrariarmos, por reclamarmos de alguns defeitos, por sermos capazes de resistir a algumas adversidades, por sermos capazes de perdoar ... Sempre, sempre sem nunca nos desrespeitarmos...e fazendo sempre uso do humor e do amor!

    Beijinho

    ResponderExcluir
  2. Céus, como concordo contigo! (e com o MEC)
    Também me faz confusão que as pessoas fiquem chocadas.

    http://prontaevestida.com/

    ResponderExcluir
  3. Concordo! Discutam... Mas façam as pazes logo que esteja tudo resolvido. É um revitalizador do amor! (Vou ficar por aqui para não expor mais a minha relação)

    ResponderExcluir
  4. O que é perfeito aos olhos dos outros, pode bem não o ser... fiquei com pena pois pareciam felizes.
    Às vezes nem tudo é eterno, só mesmo os filhos que são nossos toda a vida!
    Por isso mesmo sempre fui adepta de não se pensar muito se queremos ter filhos... se naquele momento existe a felicidade, é a altura ideal.
    Pode ser que tudo se resolva. Afinal também penso como tu, nunca desistam de amar ;) Nunca! um beijinho Mia! Bhp

    ResponderExcluir
  5. Curioso. Sempre achei que quem tem muita necessidade de dizer aos 4 ventos que tem um casamento perfeito e que se amam imenso e blá blá blá normalmente é porque não é nada disso, Quem ama e tem uma boa relação não precisa de andar a "esfregar" isso na cara dos outros. Eu não falo do meu casamento. Os outros que pensem o que quiserem. Só eu e o meu marido sabemos o que o nosso casamento vale. ;-) Para mim, nada do que parece é. E cada vez mais nestes tempos, em que há uma necessidade brutal de se dizer que tem o amor da vida, que tem muito dinheiro, que tem muita coisa, carros bons, malas boas... enfim... vejam o facebook... só se fala das viagens para onde se foi, o que se comprou, o que se tem. A nossa sociedade vive muito de aparências e pouco de conteúdo. É pena, mas infelizmente é cada vez mais assim. A Cláudia Vieira passava o tempo a postar fotos de cumplicidade com o marido. Mas em que mundo vivemos??

    ResponderExcluir
  6. Ai Mia... Este post bateu-me que nem um chapadão bem forte. Apetece-me reencaminhar o link deste teu post, mas lá está... Desiste-se rápido de mais e de nada serviria. Mas sim, subscrevo tudo isto.

    ResponderExcluir

Obrigada pela vossa visita,
Baci
<3