16.8.18

COMOBA LISBOA | COOL SPOTS



Não me canso de dizer que Lisboa está, cada vez mais, com sítios incríveis. Sei também que, em grande parte desses sítios, quase não se ouve falar português. Lisboa está mesmo na moda e parece que toda a gente quer vir para cá.
No início desta semana, marquei um pequeno-almoço daqueles que se estendem quase até á hora de almoço com uma amiga minha, a Kelly. O sítio foi marcado por ela e ainda bem, porque a escolha não poderia ter sido melhor.

Navegando pelo instagram já tinha visto várias fotos do Comoba , situado na Rua de São Paulo, serve panquecas de matcha (que foi uma das nossas escolhas e que amei!), smoothie bowls ou burritos, tudo isto a qualquer hora e é tudo orgânico.
O espaço é minimalista, super clean, agradável e bonito, com mesas de mármore, chão de pedra e uma luz que nos conquista mal entramos de tão natural que é.

Foi o sítio ideal para matar saudades desta minha amiga, para colocar a conversa em dia e para soltar gargalhadas daquelas que nos fazem sentir tão bem. 
Vou querer voltar o mais rápido possível e óbvio que as panquecas de marcha vão voltar a ser uma das minhas escolhas! Feitas com uji matcha, importada do Japão e utilizada também para lattes ou cheesecake, são servidas numa torre de mirtilos ou framboesas biológicas, creme de caju caseiro, flores comestíveis e xarope de agaveSão maravilhosas e dá perfeitamente para dividir.








Se ainda não conhecem e, tal como eu, estão por férias por Lisboa, sem grandes planos, deixo-vos a sugestão de fazer uma visita ao Comoba! Tenho a certeza de que vão adorar!


COMOBA LISBOA
Rua de São Paulo, 101 Cais do Sodré
Segunda a Domingo
07:30-19:30


Com amor, 
Mia 



15.8.18

QUANDO UM ABRAÇO NOS ENCHE O CORAÇÃO E NOS DÁ PAZ


O dia começou cedo. Hoje, apesar do calor que se fazia sentir, não era dia de ir estender o corpo ao sol. Hoje foi um dia totalmente dedicado à família. Aquilo que deveria ser sempre a nossa maior prioridade, os nossos. 
O tempo corre depressa demais, em muitos dos nossos dias sobra-nos muito pouco para os afectos, para o que é essencial, para aquilo que nos enche verdadeiramente o coração. É preciso ser-se mais grato, pelo que temos, por quem está ao nosso lado, pelas coisas tão simples da vida e que custam tão pouco, como sorrir ou abraçar alguém que precisa de paz no seu coração.

Pela manhã fui ao cemitério. Antes de entrar, aproveitei para espreitar as flores. Perguntei à senhora da banca, dona de uns olhos azuis incríveis e um sorriso aberto, se podia fotografar as flores. Disse logo que sim e no final pediu-me para tirar uma foto também com ela. Abraçou-me e desabafou que tinha perdido a sua filha há apenas quatro meses. Chorou e eu chorei também. 
Partillhei com ela que o cancro, esse filho da mãe, também me tinha levado o homem que mais amei na vida, o meu Pai, há um ano atrás. Demos um abraço e desejámos SAÚDE uma à outra, porque no final do dia, tudo se resume a isso, a ter saúde, amar e ser amada, o resto é o resto e o mais importante é mesmo aproveitar enquanto cá estamos e sermos felizes.



















Foi com esse sentimento que parti para junto da minha Mãe e das minhas irmãs. Estivemos todas juntas, hoje o meu tio fazia anos e fomos visitá-lo ao lar. A minha Mãe, querida como sempre, fez bolo para toda a gente. Estivemos juntos, cantámos os parabéns e soprámos as velas.
Cabe no meu peito um orgulho muito grande pela Mãe que tenho, pelas minhas irmãs, pela minha família. É importante que, na correria que são os nossos dias, haja sempre tempo para isto, para amar os nossos, para dar e receber mimo. 
Passa tudo depressa demais, e é preciso dizer mais vezes "gosto de ti" a quem nos é especial.
Não é perder tempo é sim ganhar amor e carinho e isso vale por tudo. Por tudo mesmo.



LOOK: Zara

Foi um feriado feliz, recheado de carinho e amor.
Que também o vosso tenha sido bom!

Com amor,
Mia 






13.8.18

REAL BEAUTY is the NEW SEXY


O título deste post surgiu numa troca de msg com uma amiga, quando eu elogiava a sua excelente forma física. Dizia-me ela que o importante é sentirmo-nos bem connosco, com o nosso corpo e que o resto é apenas o resto. Não podia estar mais de acordo.

Numa altura em que tanto se fala em self love, sinto cada vez mais necessidade de fazer as pazes comigo mesma. Com o meu corpo, com a minha cabeça. São anos e anos de uma relação pouco feliz. Com muitos altos e baixos.
Tal como já partilhei aqui, quando senti que estava mais perdida do que nunca (desde o momento em que soube que o meu Pai estava doente até o perder) percebi que precisava de ajuda, que sozinha não ia conseguir chegar nem perto de onde eu queria.
Se no meio de todo este processo, que comecou um pouco antes de Abril, eu já estive mais focada, mais certinha? Sim, já estive! Muito mais. Aliás houve uma altura em que me olhei ao espelho com orgulho e até um pouco vaidosa. Se custou? Muito. Não vos minto. Não é fácil manter o foco quando lidamos com uma ansiedade que nos trama em muitos dos nossos dias, quando a nossa cabeça ainda não está no sitio certo. Quando temos uma vida profissional cheia de compromissos com caterings maravilhosos à nossa espera! 

Estava muito focada na alimentação, nunca na vida pensei que fosse capaz de não comer pão ao pequeno almoco, todos os dias, como sempre fiz a minha vida toda, e a verdade é que percebi que consigo. Mas não vos minto, continuo a dizer que, para mim, "pão é vida"! Passo a vida à espera que chegue domingo para lá ir à minha pastelaria favorita, no meu bairro, comer o meu pãozinho de sementes. Nos últimos tempos não me tenho portado tão bem, às vezes dou por mim a comer pão durante a semana, às vezes volto aos hidratos, arroz, massa, saio de casa à noite de propósito para ir a uma gelataria que amo na Avenida de Roma comer um gelado de chocolate e morango. Tem dias que não ponho os pés no ginásio, e isso sim, custa-me muito porque estava verdadeiramente motivada e disciplinada. Mas prometi que não vos mentiria e, porque recebo tantas mas tantas msg por dia a perguntar como mantenho o foco ou onde vou buscar forças, é preciso dizer-vos que nem todos os dias as tenho. 

Não acho que esteja gorda, nada disso. Mas sei que a minha barriga já esteve mais definida, que os meus flancos (esses malvados) já estavam a reduzir o seu tamanho, que estava finalmente a chegar onde eu queria.
Não há milagres nem grandes segredos, aliás fui partilhando sempre tudo com vocês! Uma alimentação saudável, com algumas restrições sim (ao início foram-me cortados todos os hidratos), ginásio (se conseguirem contar com a ajuda de um PT ainda melhor, faz muita diferença, eu contei com a ajuda do  Sérgio) e os abençoados tratamentos que tenho feito na Improve. Sei que todas as semanas, quando lá vou, partilho um bocadinho do meu tratamento no meu instagram, mas não me canso de dizer o quão diferente sinto a minha barriga, bem como os meus flancos, desde que comecei o VenusLegacy. Mais, sempre tive celulite, continuo a ter mas nada do que se pareça com aquilo que tinha antes. Amanhã é dia de lá voltar, confesso que ali me sinto em casa, que me sinto em paz, descobri uma segunda família que me deu a mão quando eu mais precisava e que, acima de tudo, não me tem deixado desistir de mim mesma. Sou grata a estas pessoas bonitas que tenho comigo e que me ajudam a ser melhor, mais feliz. 
Prometi a mim mesma não desistir, não "andar para trás" e farei de tudo para que esta cabeça não me trame. Quero paz, sossego. Isso basta-me.










Com mais ou menos celulite, mais ou menos barriga, aquilo que vos mostro e que partilho diariamente é aquilo que sou, sem filtros. Sou real, pretendo continuar assim e cada vez me sinto mais confortável dessa forma. 
É tudo uma questão de equilíbrio, há dias em que me porto super bem, em que preparo a minha marmita super saudável para levar para a praia e que consigo ignorar o senhor das bolas de Berlim sempre a passar por mim e a tentar-me constantemente e depois há outros dias em que lá vou eu comer uma pizza com uma amiga e sinto que aquilo é o momento alto da minha semana. 
Nunca fui de extremos. Ainda ontem ao jantar desabafava isso com a minha Mãe, que tem uma forca de vontade que eu amava ter e que também anda numa luta para perder algum peso e tem conseguido fazê-lo de uma forma brilhante. Dizia-lhe que se me apetecer comer uma sobremesa nesse dia vou comer (mesmo que me continue a sentir culpada por isso, e sim, comer com culpa é horrível e é outra luta que travo há anos) mas sei que no dia seguinte terei de compensar e ter mais cuidado na minha alimentação. É uma luta diária, acreditem. E às vezes há que não pensar tanto e viver mais. Juro que é isto que tenho tentado fazer. 
Estas fotografias registam alguns desses momentos, num cenário que adoro e onde sou feliz. Sem que seja preciso muito mais do que sol, mar e sossego na mente.
Sejam felizes.

Com amor,
Mia